Conheça os ícones da Literatura Brasileira: Cecília Meireles, Machado de Assis, Clarice Lispector, Ariano Suassuna, Cora Coralina e + [LISTA]

Por acaso, você já quis saber qual foi a primeira Literatura Brasileira? E se eu disser que a “Carta de Pero Vaz de Caminha” foi escrita por um português quando chegou à Terra Brasilis? Até parece bem óbvio, mas esse “detalhe” passa desapercebido por muita gente. 

Pensando nisso, preparamos um post para falar da produção literária verdadeiramente nacional. Aliás, a Literatura Brasileira tem mais de 500 anos de história para contar, mas ainda está engatinhando perante a Literatura mundial, que vem de 4000 anos a.C.

O que você vai conferir neste post:

8 curiosidades para conhecer a história da Literatura Brasileira

Daqui em diante, falaremos das curiosidades da Literatura Brasileira, incluindo suas escolas literárias. Depois disso, não deixe de conferir os ícones que se destacam como os maiores escritores e escritoras do país, transitando entre diversos gêneros literários. Vamos lá?

1. O que é a Literatura Brasileira?

A Literatura Brasileira envolve a produção literária nacional, enquanto representação escrita da cultura do país. Nesse caso, a linguagem artística surgiu como um desdobramento da Literatura Lusófona, ou seja, aquela que é baseada na Língua Portuguesa

2. Quem é considerado o fundador da Literatura Brasileira?

Se você quer saber quem criou a Literatura Brasileira, é importante voltar uma casa no tabuleiro. Antes de mais nada, vale lembrar que o primeiro texto literário do Brasil é a “Carta de Pero Vaz de Caminha”, escrita por Pero Vaz de Caminha para Manuel I de Portugal.

Por outro lado, o pai da Literatura Brasileira é o escritor e dramaturgo cearense José de Alencar. Afinal de contas, ele foi o pioneiro na criação de romances que tinham temáticas realmente nacionais.  

3. Quando surgiu a Literatura Brasileira? E onde nasceu?

Até aqui, já deu pra perceber que a Literatura Brasileira veio à tona com a chegada dos portugueses, certo? Antes disso, as tribos indígenas tinham línguas ágrafas, isto é, que não contavam com representações escritas, embora fossem ricas em várias outras linguagens.   

Em 1500, os jesuítas passaram a incentivar as produções literárias no país. Para tal, seguiram a lógica de catequese adotada no Teatro, guardadas as devidas proporções. Em paralelo, muitos portugueses escreviam suas impressões sobre o tal do “Novo Mundo”.     

Artcetera - perfil Spotify

4. Quais são os períodos literários da Literatura Brasileira?

A produção literária nacional se divide nas Eras Colonial e Nacionalista, além da transição no período de emancipação do Brasil.

  • Era Colonial (1500 a 1808): Quinhentismo, Barroco (Seiscentismo) e Arcadismo (Setecentismo), ainda no Brasil Colônia
  • Fase de transição (1808 a 1836): compreende os acontecimentos históricos que envolveram a emancipação política do Brasil 
  • Era Nacionalista (1836 – tempos atuais): Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parnasianismo, Simbolismo, Pré-Modernismo, Modernismo e Pós-modernismo

5. Quais são os tipos de Literatura Brasileira?

A seguir, destacamos os marcos históricos das Movimentos Literários ou, simplesmente, Escolas Literárias:

Quinhentismo | 1500 – 1601 | Era Colonial

A primeira fase da Literatura nacional teve 2 vertentes principais. Enquanto a primeira tinha um teor informativo (registros históricos), a segunda era de teor pedagógico (catequese). 

Características

  • Relatos de viajantes portugueses acerca do Novo Mundo
  • Textos dos jesuítas que buscavam catequizar os índios

Exemplos de obras

  • Carta de Pero Vaz de Caminha a el-rei D. Manuel | Pero Vaz de Caminha
  • Poema à Virgem | José de Anchieta 

Barroco (Seiscentismo) | 1601 – 1728 | Era Colonial

Em especial, o Barroco nacional se desenvolveu na Bahia, em uma época de forte economia açucareira. No início, o movimento tinha uma forte relação com a Igreja Católica. 

Características

  • Cultismo (jogo de palavras) e conceptismo (jogo de ideias)
  • Detalhamento, dramaticidade, exagero e rebuscamento
  • Dualidade entre fé e razão, além de linguagem subjetiva

Exemplos de obras

  • Prosopopeia | Bento Teixeira
  • Triste Bahia | Gregório de Matos

Arcadismo (Setecentismo) | 1768 – 1836 | Era Colonial

Muitos expoentes dessa escola literária estavam conectados com a Inconfidência Mineira. Não por acaso, essa região já vivia a intensa exploração de ouro e de pedras preciosas. 

Características

  • Obras bucólicas, sobretudo exaltando a natureza
  • Temas e linguagens abordados de forma simples
  • Narrativas da vida no campo e dos costumes rurais

Exemplos de obras

  • Caramuru | Santa Rita Durão
  • Marília de Dirceu | Tomás Antônio Gonzaga

Transição | 1808 – 1836 | Entre as Eras Colonial e Nacionalista

Essa fase de transição foi vista como um período de inércia na produção literária do país. Em 1916, um dos momentos marcantes foi a vinda da Missão Artística Francesa, que foi contratada por Dom João IV.

Romantismo | 1836 – 1881 | Era Nacionalista

Por ser a primeira fase da Era Nacionalista, o Romantismo foi a primeira escola literária tipicamente brasileira. Nessa linha, vale ressaltar que este movimento se dividiu em 3 fases, sobre as quais falaremos adiante.

Características

  • 1ª fase: nacionalismo e indianismo, com o índio sendo um herói nacional
  • 2ª fase: egocentrismo, pessimismo, exaltação da morte e fuga da realidade
  • 3ª fase: poesia libertária e de cunho social, na chamada Geração Condoreira

Exemplos de obras

  • Suspiros Poéticos e Saudades | Gonçalves Magalhães (1ª fase) 
  • Canção do Exílio | Gonçalves Dias (1ª fase) 
  • Lira dos Vinte Anos | Álvares de Azevedo (2ª fase)
  • O Navio Negreiro | Castro Alves (3ª fase)

Realismo | 1881 – 1893 | Era Nacionalista

Como o próprio nome já adianta, essa foi uma escola literária voltada para tratar da realidade. E isso é bem diferente do que se abordava no Romantismo, não é mesmo?

Características

  • Contraponto aos ideais românticos da fase anterior
  • Críticas sociais, com foco nos temas do cotidiano
  • Detalhes na descrição de ambientes e personagens 
  • Linguagem objetiva para abordar as denúncias sociais

Exemplos de obras

  • Memórias Póstumas de Brás Cubas | Machado de Assis
  • O Ateneu | Raul Pompeia
  • Dom Casmurro | Machado de Assis
  • Canções Sem Metro | Raul Pompeia
  • Quincas Borba | Machado de Assis

Naturalismo | 1881 – 1922 | Era Nacionalista

De maneira similar ao Realismo, o Naturalismo seguiu falando de percepção da realidade. Porém, foi uma versão mais “radical” da escola anterior, já que revelava os problemas sociais.

Características

  • Radicalização do próprio Realismo
  • Textos com linguagem mais coloquial e objetiva
  • Temas polêmicos, como Sensualismo e Erotismo
  • Cientificismo, Determinismo, Positivismo e Darwinismo

Exemplos de obras

  • O Mulato | Aluísio de Azevedo
  • A Normalista | Adolfo Ferreira Caminha
  • O Cortiço | Aluísio de Azevedo

Parnasianismo | 1882 – 1922 | Era Nacionalista

Embora o Parnasianismo tenha surgido em paralelo ao Realismo e Naturalismo, as propostas eram diferentes. Aqui, um dos destaques é a Tríade Parnasiana, formada por Olavo Bilac, Alberto de Oliveira e Raimundo Correia.

Características

  • O mote do Parnasianismo é a “arte pela arte”
  • Preciosíssimo nas obras, com o “culto à forma”
  • Poesias descritivas, que eram ricas em detalhes
  • Estética poética (métrica, rimas, versificação etc.)

Exemplos de obras

  • Fanfarras | Teófilo Dias
  • Tratado de Versificação | Olavo Bilac

Simbolismo | 1893 – 1922 | Era Nacionalista

Em contraponto às escolas anteriores, o Simbolismo (Decadentismo) prezava pela subjetividade. De quebra, os artistas não se preocupavam com a estrutura perfeita dos versos, como acontecia na escola anterior.

Características

  • Subjetividade, misticismo e imaginação
  • Estética que envolve aliteração e assonância
  • Musicalidade nos poemas, por meio de repetições

Exemplos de obras

  • Kyriale | Alphonsus de Guimarães 
  • Eu | Augusto dos Anjos

Pré-Modernismo | 1902 – 1922 | Era Nacionalista

O Pré-Modernismo representou mais uma das fases de transição, dessa vez entre Simbolismo e Modernismo. Na época, os artistas já traziam insights do rompimento com o academicismo que viria adiante.

Características

  • Prenúncio ruptura com o academicismo que aconteceria no Modernismo
  • Linguagem coloquial e regional, com temas sociopolíticos e históricos
  • Marginalidade das personagens, como sertanejos, caipiras e mulatos
  • Sincretismo estético (neorrealista, neoparnasiano e neossimbolista)

Exemplos de obras

  • Os Sertões | Euclides da Cunha 
  • Canaã | Graça Aranha
  • Triste Fim de Policarpo Quaresma | Lima Barreto

Modernismo | 1922 a 1950 | Era Nacionalista

O Modernismo é outro movimento que se divide em 3 fases, com destaque para a revolução da Semana de 22. Neste evento icônico, diversas expressões artísticas tiveram seu espaço, tais como: Pintura, Poesia, Escultura, Música e Literatura.

Características

  • Busca por uma linguagem e estética genuinamente brasileiras, indo da Literatura à Música Clássica
  • 1ª fase (heroica): renovação estética, radicalismo, anarquismo e rompimento com o academicismo e tradicionalismo
  • 2ª fase (consolidação): temáticas nacionalistas, universalistas e regionalistas, com nova postura estética
  • 3ª fase (pós-moderna): inovações linguísticas e experimentações artísticas, inclusive na metalinguagem

Exemplos de obras

  • Libertinagem | Manuel Bandeira (1ª fase) 
  • Paulicéia Desvairada | Mário de Andrade (1ª fase) 
  • Vidas Secas | Graciliano Ramos (2ª fase) 
  • Batuque, Samba e Macumba | Cecília Meireles (2ª fase) 
  • A Legião Estrangeira | Clarice Lispector (3ª fase)
  • O Quinze | Rachel de Queiroz (3ª fase)

Dica: videoaula sobre a Semana de Arte Moderna de 22

Pós-modernismo | 1950 – Atualmente | Era Nacionalista

Chegando ao Pós-Modernismo, que se estende até os dias atuais, temos um amplo leque de estilos. No fim das contas, a pluralidade é um dos pontos-chave deste movimento literário.  

Características

  • Pluralidade de estilos, apesar do individualismo
  • Indústria cultural e consumismo
  • Hedonismo e narcisismo
  • Liberdade artística, sem valores talhados em pedra
  • Arte com um toque mais niilista

Exemplos de obras

  • Auto da Compadecida | Ariano Suassuna 
  • Agora é que são Elas | Paulo Leminski
  • Millôr Definitivo: A Bíblia do Caos | Millôr Fernandes

Extra: Concretismo | 1950 – Atualmente

Ainda que este não seja um dos movimentos mais famosos, não podemos nos esquecer do Concretismo, né? E o melhor: esses artistas se destacaram ao dialogar com as Artes Plásticas, criando a Poesia Visual, por exemplo.   

Características

  • Trabalhos experimentais com palavras e espaços
  • Linguagem autônoma e, também, metalinguagem
  • Planejamento das obras, com um viés geométrico
  • Clara oposição à Arte Abstrata, ainda com simplicidade 

Exemplos de obras

  • Poema Sujo | Ferreira Gullar
  • O Pulsar | Augusto de Campos
  • nascemorre | Haroldo de Campos
  • 2 ou + corpos no mesmo espaço | Arnaldo Antunes (sim, o cara do Rock e da MPB)
  • Beba Coca-Cola | Décio Pignatari

Literatura Brasileira - Décio Pignatari

Obra: Beba Coca-Cola (Poesia Concreta in Brasile), de Décio Pignatari | Fonte: Google Arts & Culture

6. Quais são os gêneros literários mais conhecidos do Brasil?

Quer saber quais são os gêneros da Literatura Brasileira que ampliaram sua popularidade com o passar do tempo? Segundo o jornal Folha de São Paulo, a Literatura de Autoajuda cresceu 51%, no período de janeiro a agosto de 2021. 

Adicionalmente, o blog Escrita Criativa apontou os gêneros literários mais buscados pelos brasileiros:

  • Ficção
  • Autoajuda
  • Histórias em Quadrinhos
  • Científicos ou de Não-Ficção
  • Religião
  • Literatura Erótica

Em uma nota paralela, os principais gêneros literários do mundo são: Narrativo, Lírico e Dramático. Por exemplo, o subgênero literário Novela faz parte do gênero Narrativo, mas é um pouco diferente das Telenovelas que fazem sucesso aqui no país, ok? 

Gênero Narrativo

  • Conto
  • Crônica
  • Ensaio
  • Épico
  • Epopeia
  • Fábula
  • Novela
  • Romance

Gênero Lírico

  • Écloga
  • Elegia
  • Ode
  • Poesia
  • Soneto

Gênero Dramático

  • Auto
  • Comédia
  • Farsa
  • Tragédia
  • Tragicomédia

7. Quais as funções da Literatura Brasileira?

Se você leu até aqui, é provável que já tenha percebido para que serve a Literatura Brasileira. Muito além de uma matéria escolar para o vestibular, essa expressão artística ajuda a formar a identidade cultural da brasilidade, com reflexões sobre as questões sociais.

A propósito, é vital reconhecer o incrível trabalho dos nossos autores e autoras pelo país afora. Por falar nisso, o próximo tópico tem 10 publicações para quem quer se aprofundar no tema, bem como o item subsequente ainda revela 80 ícones que precisamos conhecer.

8. Quais são os principais livros sobre Literatura Brasileira?

Para quem quer conhecer as nuances e a riqueza da produção literária nacional, seguem 10 dicas de leitura:

  • Literatura Brasileira: Das Origens aos Nossos Dias | José De Nicola
  • História da Literatura Brasileira Vol. I: Das Origens ao Romantismo: Volume 1 | Massaud Moisés
  • História da Literatura Brasileira Vol. II: Do Realismo à Belle Èpoque: Volume 2 | Massaud Moisés
  • História da Literatura Brasileira – Vol. III: Desvairismo e Tendências Contemporâneas: Volume 3 | Massaud Moisés
  • História Concisa da Literatura Brasileira | Alfredo Bosi
  • A Literatura Brasileira Através dos Textos | Massaud Moisés
  • Semana de 22: Antes do Começo, Depois do Fim | José de Nicola e Lucas de Nicola
  • Manual Compacto de Literatura Brasileira | Celso Leopoldo Pagnan
  • Literatura Afro-Brasileira Vol.2: Abordagens Na Sala De Aula | Eduardo de Assis Duarte
  • Literatura Brasileira: Em Diálogo com Outras Literaturas e Outras Linguagens | William Cereja e Thereza Cochar

Neste último livro, confira as conexões da produção literária nacional com a estadunidense, europeia e africana. Além disso, acompanhe as conexões com as demais expressões artísticas, como Cinema e Artes Visuais, por exemplo. 

80 autores e autoras da Literatura Brasileira + 40 obras épicas

Logo adiante, listamos 80 escritores e escritoras que se destacam na produção literária nacional. E, se você quer mais detalhes sobre algum desses ícones, saiba que teremos posts específicos aqui na Artcetera. Então, siga as nossas redes sociais e fique de olho!

Artcetera - perfil Instagram

40 maiores escritores brasileiros de todos os tempos

  1. Aluísio Azevedo
  2. Álvares de Azevedo
  3. Antônio Callado
  4. Ariano Suassuna 
  5. Arnaldo Antunes
  6. Bernardo Guimarães 
  7. Carlos Drummond de Andrade
  8. Casimiro de Abreu
  9. Castro Alves
  10. Décio Pignatari 
  11. Dias Gomes
  12. Érico Veríssimo
  13. Euclides da Cunha
  14. Ferreira Gullar
  15. Graciliano Ramos
  16. João Cabral de Melo Neto
  17. João Guimarães Rosa
  18. Joaquim Manuel de Macedo 
  19. Jorge Amado 
  20. José Cândido de Carvalho
  21. José de Alencar 
  22. José Lins do Rego 
  23. Lima Barreto
  24. Luis Fernando Veríssimo
  25. Machado de Assis
  26. Manuel Antônio de Almeida
  27. Manuel Bandeira
  28. Mário de Andrade
  29. Mário Quintana
  30. Milton Hatoum 
  31. Monteiro Lobato
  32. Nelson Rodrigues
  33. Olavo Bilac
  34. Oswald de Andrade
  35. Paulo Coelho
  36. Paulo Leminski
  37. Raul Pompeia
  38. Rubem Alves
  39. Rubem Fonseca
  40. Vinicius de Moraes

40 maiores escritoras brasileiras de todos os tempos

  1. Adélia Prado
  2. Adriana Lisboa
  3. Alice Ruiz
  4. Aline Valek
  5. Ana Cristina Cesar
  6. Ana Maria Gonçalves
  7. Ana Maria Machado
  8. Ana Martins Marques
  9. Ana Miranda
  10. Ana Paula Maia
  11. Andréa Del Fuego
  12. Carol Bensimon
  13. Carola Saavedra
  14. Carolina Maria de Jesus
  15. Cecília Meireles
  16. Cíntia Moscovich
  17. Clarice Lispector 
  18. Conceição Evaristo
  19. Cora Coralina
  20. Cristiane Sobral
  21. Débora Ferraz
  22. Djamila Ribeiro
  23. Elvira Vigna
  24. Heloísa Seixas
  25. Hilda Hilst
  26. Jarid Arraes
  27. Luci Collin
  28. Luisa Geisler
  29. Lygia Bojunga
  30. Lygia Fagundes Telles
  31. Maria Firmina dos Reis
  32. Maria Valéria Rezende
  33. Marina Colasanti
  34. Nélida Piñon
  35. Patrícia Melo
  36. Rachel de Queiroz
  37. Socorro Acioli
  38. Tatiana Salem Levy
  39. Vanessa Barbara
  40. Veronica Stigger

Bônus: os 40 maiores clássicos da Literatura Brasileira

Para elencar as 40 maiores obras da Literatura Brasileira, compilamos as listas de 4 portais, além de adicionar 2 cents. Por sinal, veja como ficou a seleção embasada nos destaques de Catraca Livre, Estante Virtual, Maiores e Melhores, Revista Bula e outros posts do blog: 

  1. A Escrava Isaura | Bernardo Guimarães
  2. A Hora da Estrela | Clarice Lispector
  3. A Moreninha | Joaquim Manuel de Macedo
  4. A Paixão Segundo G.H. | Clarice Lispector
  5. A Pedra do Reino | Ariano Suassuna
  6. Antes do Baile Verde | Lygia Fagundes Telles
  7. As Três Marias | Rachel de Queiroz
  8. Auto da Compadecida | Ariano Suassuna
  9. Capitães da Areia | Jorge Amado
  10. Dois Irmãos | Milton Hatoum
  11. Dom Casmurro | Machado de Assis
  12. Fogo Morto | José Lins do Rego
  13. Gabriela, Cravo e Canela | Jorge Amado
  14. Grande Sertão: Veredas | João Guimarães Rosa
  15. Iracema | José de Alencar
  16. Libertinagem | Manuel Bandeira
  17. Macunaíma | Mário de Andrade
  18. Manifesto Antropófago | Oswald de Andrade
  19. Mar Absoluto | Cecília Meireles
  20. Memórias de um Sargento de Milícias | Manuel Antônio de Almeida
  21. Memórias Póstumas de Brás Cubas | Machado de Assis
  22. Nova Antologia Poética | Mário Quintana
  23. O Ateneu | Raul Pompeia
  24. O Coronel e o Lobisomem | José Cândido de Carvalho
  25. O Cortiço | Aluísio Azevedo
  26. O Guarani | José de Alencar
  27. O Pagador de Promessas | Dias Gomes
  28. O Quinze | Rachel de Queiroz
  29. O Sítio do Pica-pau Amarelo | Monteiro Lobato
  30. Olhos d’Água | Conceição Evaristo
  31. Os Sertões | Euclides da Cunha
  32. Paulicéia Desvairada | Mário de Andrade
  33. Quarto de Despejo | Carolina Maria de Jesus
  34. Quarup | Antônio Callado
  35. Recordações do Escrivão Isaías Caminha | Lima Barreto
  36. Til | José de Alencar
  37. Triste Fim de Policarpo Quaresma | Lima Barreto
  38. Úrsula | Maria Firmina dos Reis
  39. Vestido de Noiva | Nelson Rodrigues
  40. Vidas Secas | Graciliano Ramos

E então, gostou de conhecer essas lendas da Literatura Brasileira e a grandiosidade de suas obras? Para continuar a sua jornada de descobertas aqui no blog, veja mais 3 dicas de leitura:

Nos vemos em breve, logo no próximo artigo que você escolher no nosso blog! 😉 

Salvar