10 hinos da história do Reggae, com os maiores artistas de todos os tempos: Bob Marley, Jimmy Cliff, Cidade Negra, Peter Tosh, Natiruts e mais

Quer conhecer o ritmo que une paz, amor e vibrações positivas, mas sem perder de vista a justiça social? Então, vem com a gente fazer uma imersão pelas raízes que deram vida à história do Reggae.

Muito além do estilo “rasta” com os dreadlocks, falaremos sobre a conexão da música com a filosofia rastafári. Afinal, muitos artistas de Reggae são adeptos desse movimento judaico-cristão, inclusive o ícone Robert Nesta Marley.

Sim, isso mesmo: estamos falando de ninguém mais, ninguém menos, que Bob Marley. Aliás, aproveite para ver o filme “Marley”, que mostra a trajetória dessa lenda que popularizou a história do Reggae no mundo todo.

7 curiosidades para conhecer a história do Reggae

Chegou o momento de descobrir de onde veio a onda de positividade que marcou a história do Reggae. Enquanto isso, ouça uma playlist exclusiva para entrar nesse clima de good vibes. ☮

Bob Marley Reggae GIF by Universal Music Africa - Find & Share on GIPHY

1. O que significa Reggae?

O Reggae é um estilo musical originalmente jamaicano, mas que tem raízes na cultura africana. Além disso, o gênero mistura elementos de Ska, Mento, Rocksteady, Calipso, Jazz, R&B e Soul.

2. Quem é considerado o fundador do Reggae?

Se você quer saber quem criou o Reggae, o primeiro músico a usar esse nome foi Toots Hibbert. Conhecido como o pai do Reggae, o líder da banda Toots and the Maytals foi um dos pioneiros dessa revolução cultural. 

Naturalmente, o nome mais famoso do estilo é Bob Marley, que é visto como o rei do Reggae mundial. Por sinal, ele é um dos grandes responsáveis pelo engajamento da música, já que suas letras inspiram a justiça social, em ritmo de paz e amor. 

3. Onde nasceu o Reggae? E como surgiu? 

Para saber onde surgiu o Reggae, vamos dar um passeio pelos guetos de Kingston, na Jamaica. Nos anos 1960, muitos artistas já adotavam a filosofia rastafári, incluindo o uso sacramental da Cannabis para “superar” a condição atual.

Em 1970, essa música ganhou fama mundial, o que marcou a “era de ouro do Reggae” com Bob Marley e Jimmy Cliff. Na época, surgiram os principais subgêneros, que são o Reggae Roots e o Ragga (Dancehall). 

E, para conhecer mais detalhes sobre a história do Reggae, indicamos 3 posts do portal Geledés. No caso, eles dividem essa revolução musical nos seguintes momentos:

4. Como aconteceu a história do Reggae no Brasil?

Sabia que temos a “Jamaica brasileira”? Pois bem, São Luís do Maranhão é a nossa capital do Reggae, tendo até um museu temático

Mas foi no Rio de Janeiro que o ritmo desembarcou oficialmente no país. Isso porque o Jimmy Cliff esteve no Festival Internacional da Canção (FIC), em 1968.

Depois disso, foi a vez de Caetano Veloso gravar a música “Nine out of ten”, em 1972. Apesar de não ser exatamente um Reggae, a canção já tinha alguns compassos do estilo.

Além do Maranhão, o país todo conta com artistas engajados na filosofia Reggae, incluindo Edson Gomes e Gilberto Gil na Bahia. E, voltando ao RJ, ainda temos o Grupo Cultural AfroReggae, que trabalha pela inclusão social por meio de arte e da educação.  

E quanto à história do Reggae no Maranhão?

Foi em 1980 que São Luís se tornou a capital do Reggae, mas essa história começa em 1970. Segundo o professor da UFMA, Carlos Benedito Rodrigues da Silva, marinheiros vindos da Jamaica deixavam discos para pagar por serviços nas zonas de prostituição.

A propósito, a pesquisa dele ainda revela as marcas da escravidão do povo africano na América. “As pessoas que foram trazidas escravizadas para o Maranhão e para Jamaica pertenciam aos mesmos grupos”, de acordo com o docente e antropólogo.

Dia Nacional do Reggae

No Brasil, o Dia Nacional do Reggae é celebrado em 11 de maio, na data em que Bob Marley faleceu. 

5. Quais as principais características do Reggae?

As letras de Reggae trazem mensagens de esperança, abordando a luta pela justiça social. Bob Marley, por exemplo, denunciava o racismo, a desigualdade e o colonialismo, além de ter um toque de espiritualidade em suas músicas.

Por falar nisso, o Reggae também é chamado de “ritmo de Jah” devido à ligação com a cultura rastafári. De origem judaico-cristã, esse é um movimento religioso e social, embora algumas pessoas encarem como um estilo de vida.

Em termos de musicalidade, o groove do Reggae é tão dançante quanto suave, não é mesmo? Nas guitarras, uma característica marcante é a Ska stroke (Skank), uma técnica para “acentuar” o tal do “tempo fraco”. 

Falando nisso, dizem que o nome do estilo vem dos “movimentos” desses riffs: “re” para baixo e “gae” para cima. Já a bateria costuma ser tocada no “terceiro tempo” dos compassos, bem como o contrabaixo tem uma levada de R&B.

Livros e filmes de Reggae

Para conhecer mais sobre o assunto, a Estante Virtual listou 5 filmes e 5 livros que falam da história do Reggae: 

6. Quais os tipos de Reggae?

Esses são estilos musicais ligados ao Reggae, direta ou indiretamente:

7. Quais são os maiores nomes do Reggae de todos os tempos?

Com base no ranking do radialista Nick Wall, a Revista Bula listou 20 hinos do Reggae, que são:

Mais artistas de Reggae

Na sua opinião, quem mais marcou a história do Reggae, no Brasil e no mundo?

Music Video Mv GIF by Buju Banton - Find & Share on GIPHY

10 músicas que marcaram a história do Reggae internacional

Agora, chegamos aos hinos que fizeram a história do Reggae, partindo da Jamaica para o mundo. 

1. Three little birds

A música “Three little birds”, de Bob Marley & The Wailers, ganhou um novo clipe. No mood “every little thing gonna be all right”, a proposta é ajudar as pessoas a lidar com a covid-19. 

2. I can see clearly now

O single do estadunidense Johnny Nash ganhou fama mundial na voz do jamaicano Jimmy Cliff. E, em 1993, essa versão fez parte da trilha sonora do longa “Jamaica abaixo de zero”.

3. Legalize it

Com “Legalize it”, Peter Tosh se lançou na carreira solo, após deixar a banda The Wailers. Nessa música, ele defende a legalização da maconha, principalmente para o uso medicinal.

4. Here I am

Os Soldiers of Jah Army, conhecidos como SOJA, têm uma pegada de Reggae Rock. Na música “Here I am”, eles tocam junto com a banda Rebelution, com uma pegada de Dub. 

5. Better together

Já o Reggae do Jack Johnson flerta com Pop e Folk. Em 2020, ele lançou uma versão colaborativa de “Better together” para arrecadar fundos para a Kokua Hawaii Foundation.

6. Dreamland

Por sua vez, o álbum “Blackheart Man” conta as experiências de Bunny Wailer. Enquanto “Dreamland” fala de repatriação, “Fighting Against Conviction” trata da prisão do artista.

7. True to myself

O filho mais velho de Bob, Ziggy Marley, também seguiu carreira tocando Reggae. Aos 17 anos, ele estreou no mundo da música com seus irmãos, no grupo The Melody Makers.

8. Hips don’t lie

Em ritmo do Reggaeton, a parceria entre Shakira e Wyclef Jean já rendeu 900 mil streams. De quebra, essa música ainda tem a influência de Pop Latino, Worldbeat, Salsa e Cúmbia.

9. Hawái

Na versão original de “Hawái”, o colombiano Maluma fez bastante sucesso nas redes sociais. E, mais recentemente, ele lançou o remix com a participação do The Weeknd.

10. Man down

Com batidas caribenhas, a barbadense Rihanna também tem uma levada Reggae, no ritmo e na crítica social. Em “Man Down”, por exemplo, a cantora denuncia a violência doméstica.  

10 hinos que marcaram a história do Reggae nacional

Aqui no Brasil, a história do Reggae é muito forte no Maranhão, mas também se espalhou pelo país todo.

1. Onde você mora?

No álbum de estreia de Toni Garrido, “Sobre Todas as Forças”, a banda Cidade Negra apostou no Reggae. E esse disco de 1994 teve a participação do jamaicano Shabba Ranks.

2. Andei só

Os brasilienses do Natiruts tocam o Reggae de Raiz desde 1996. Depois do sucesso de  “Presente de um beija-flor”, a fama aumentou ainda mais com “Verbalize” e “Andei Só”.

3. O sol, a lis e o beija-flor

No Forreggae, os paulistas do Circuladô de Fulô misturam o ritmo do Reggae com os diferentes tipos de Forró. E isso inclui tanto o forró universitário, quanto o forró pé-de-serra.

4. A namorada

O inventivo Carlinhos Brown é um dos pioneiros do Samba-reggae e da Axé Music, sabia disso? E, além de ser produtor musical e agitador cultural, ele ainda é artista plástico.

5. Uma onda que passou (e eu não dropei)

Os maranhenses da Tribo de Jah são uma das principais bandas de Reggae no cenário nacional. No começo, o repertório deles também incluía Lambada e até mesmo Merengue.

6. Com certeza

Em 2001, o grupo Planta & Raiz teve a oportunidade de abrir o show dos The Wailers. Desde então, os brasileiros deixaram os covers de lado para priorizar suas músicas autorais.  

7. Um anjo do céu

Em 2005, o Maskavo ganhou o Prêmio Dynamite como o melhor álbum independente de Reggae. Com pitadas de Ska e Rock, o álbum “Já” tem os hits “Um anjo do céu” e “Asas”.

8. Do lado de cá

Rumo ao Sul, em Porto Alegre, temos a mistura de Reggae e Pop da banda Chimarruts. Em 2009, eles ganharam o MTV Video Music Brasil (VMB) na categoria de clipe de Reggae.

9. Saudades do tempo

O nome da banda Maneva faz referência às culturas de matriz africana, significando “prazer”. Para eles, a música é uma “expressão dos desejos”, para causar “inquietação”.

10. Envolvidão

Por fim, as músicas do Rael mesclam muitos estilos, o que rendeu a indicação ao Grammy Latino. Do Hip Hop ao Samba-rock. Do Rap ao R&B. Da MPB ao Samba. E segue o fio.

Playlist com + de 100 músicas de Reggae

Quando quiser curtir um som cheio de vibrações positivas, ouça a playlist [Reggae] #29 Artcetera!

Bônus: a história do Reggae envolvendo outros ritmos

O post da história do Reggae está chegando ao fim, mas seguimos no modo good vibes aqui na Artcetera. Continue curtindo muitas músicas com a gente, em ritmo de paz, amor e esperança! 😉

 - Find & Share on GIPHY

Comentários

Salvar