Como começou a história da Gravura? Veja 10 curiosidades, 20 tipos e 12 obras famosas de: Escher, Hokusai, Tarsila, Volpi, Goya e + [LISTA]

Muito se fala sobre Pintura e Escultura, mas a verdade é que existem muitos, muitos tipos de Artes Visuais. Com isso em mente, venha fazer um tour pela história da Gravura, uma linguagem artística bastante usada no Brasil e no mundo, mas, infelizmente, pouco falada. 

Aliás, aqui vai um spoiler: você vai se surpreender ao descobrir que vários pintores famosos também são gravuristas. Por exemplo, podemos citar a brasileiríssima Tarsila do Amaral, o espanhol Pablo Picasso, o japonês Katsushika Hokusai e, ainda, o holandês Rembrandt.

10 curiosidades da Gravura para quem gosta das Artes Visuais

Para fazer um passeio pela história da Gravura, vamos começar com as curiosidades dessa Arte Visual. Em seguida, conheça as obras famosas e os maiores gravuristas de todos os tempos. Vamos nessa?

1. O que significa Gravura?

Gravura é uma Arte Visual em que as obras são produzidas por meio da “impressão” feita em uma matriz. Basicamente, usa-se um modelo para replicar a imagem por meio de suportes rígidos ou flexíveis, como madeira, metal e até mesmo borrachas e elastômeros.  

Por sinal, entender o que é a Gravura pode ser mais simples do que parece. De forma bem simplista, pode-se dizer que o processo se dá de maneira similar a um “carimbo”. Contudo, essa seria uma definição simples demais para uma Arte Visual que tem muitos detalhes.  

Por falar nisso, a curadora do Departamento de Gravura do MoMA, Deborah Wye, diz o seguinte:

“…as fronteiras tradicionais da arte impressa não são mais tão claras quanto costumavam ser. Na imaginação popular, a quintessência da Gravura pode ser uma delicada água-forte em preto e branco, porém essa Gravura ideal não existe. Os artistas estão continuamente redefinindo parâmetros.”

Artcetera - perfil Spotify

2. Qual o conceito da Gravura?

O conceito de Gravura gira em torno da “gravação”, tendo como base uma matriz original. No caso, o desenho fica gravado nessa matriz e, depois, pode ser replicado múltiplas vezes em outras superfícies. Em geral, os artistas assinam, numeram e datam cada cópia. 

De acordo com o arquiteto Eduardo Bessen, em texto publicado no portal Arte Ref:

“Muitos artistas se utilizam de procedimentos da Gravura como a gravação em si, incisão, impressão, multiplicidade e/ou transferência de imagens. A gravura hoje é tridimensional e pública. Ela é cartaz, lambe-lambe, fanzine, ilustração e sticker”.

Para entender melhor os conceitos das Gravuras, assista à demonstração do artista plástico Jorge Rico. Neste vídeo, veja como é feita a Calcografia, desde a preparação do metal para a gravação até o teste de impressão e, claro, o resultado final dessa obra incrível. 

3. O que pode ser considerado Gravura?

De modo geral, são considerados como Gravuras as Pinturas e os Desenhos gravados em superfícies ou relevos. Para exemplificar, esse processo pode ser feito por meio de incisões, riscos, gravações e até mesmo banhos de ácido, variando conforme o suporte e a técnica.

Para facilitar, digamos que 2 xilogravuristas gravaram seus desenhos na madeira, com a ferramenta buril. O primeiro deles optou pelo “horizonte”, em que o “sulco” das incisões receberá a tinta que, por sua vez, aparecerá como o “positivo” na reprodução da obra. 

Já o segundo gravurista optou por outra técnica, em que a tinta é aplicada na superfície em alto relevo. No caso, o sulco será o “negativo” na obra reproduzida em outra plataforma, pois a tinta estará apenas na parte de cima do relevo e não no sulco, na fenda. Olhe só:   

história da Gravura - Xilogravura

Fonte: UOL

4. Quem é considerado o fundador da Gravura?

Como essa expressão artística vem da Pré-História, é bem difícil saber quem criou a Gravura, né? Porém, podemos destacar um dos pioneiros dessa linguagem, o alemão Mestre das Cartas, que, apesar de anônimo, é tido como o primeiro Mestre da Gravura.

5. Como surgiu a Gravura? E onde nasceu?

Se você quer saber como e onde surgiu a Gravura, dê uma olhada nos próximos tópicos. Assim, ficará mais fácil compreender a importância dessa manifestação artística que nos acompanha há séculos e séculos. 

Marcos da história da Gravura

  • Pré-História: os Petróglifos têm imagens geometrizadas e outras representações simbólicas, como na Pedra do Ingá
  • Século VI: surge a Xilogravura na China, um método de impressão sobre tecido também usado no Egito e no Império Bizantino
  • 1440: surge o primeiro Mestre da Gravura, o anônimo Mestre das Cartas, que provavelmente era alemão
  • 1493: publicação da obra Crônicas de Nuremberg, que foi o maior livro ilustrado da época, tendo 1.600 Xilogravuras
  • Entre 1500 e 1830: surgem os Mestres da Gravura alemães, italianos, holandeses, flamengos, franceses, ingleses e espanhóis 
  • Século XV: a Xilogravura é aplicada nas iluminuras (incluindo as ilustrações de livros sagrados) e nas cartas de baralho
  • Século XVI: a popularização da prensa móvel ampliou consideravelmente o volume de impressões comerciais
  • Idade Média: os ourives ajudaram a difundir as Gravuras, refinando a impressão feita diretamente nos metais
  • 1796: Alois Senefelder desenvolve a técnica da Litografia, explorando as impressões feitas em pedra calcária
  • Século XVIII: as Gravuras coloridas do Japão chegam à Europa, na mesma época em que Thomas Bewick cria a Xilogravura de Topo
  • Século XX: a Serigrafia ganha cada vez mais espaço, inclusive buscando inspiração no processo fotográfico
  • Séculos XX e XXI: a tecnologia possibilita a Arte Digital da Digigravura, gravando as imagens por meios eletrônicos

6. Como aconteceu a história da Gravura no Brasil?

Antes de mais nada, vale lembrar que há registros pré-históricos de Gravuras Rupestres, como na Pedra do Ingá. Adicionalmente, outro marco da Gravura no Brasil foi a chegada da família real portuguesa. Mas, antes disso, certos jesuítas tinham prelos clandestinos, sabia?

Marcos da história da Gravura brasileira

  • Pré-História: há diversos sítios arqueológicos com Gravuras Rupestres, como o monumento Itacoatiara na Paraíba, a Pedra do Ingá 
  • 1801: o padre José Joaquim Viegas de Menezes chega ao país após um curso em Coimbra e busca aplicar as técnicas de Gravura
  • 1808: após a vinda da família real portuguesa, a Coroa autorizou a instalação de manufaturas e da Imprensa Oficial
  • Século XVIII: a técnica mais popular era a Litogravura, seguida pela Calcogravura e Xilogravura 
  • 1890: Modesto Brocos vem ao Brasil e populariza o Intaglio, publicando Xilogravuras no periódico satírico O Mequetrefe
  • Séculos XIX e XX: ilustração de livros e periódicos com Xilogravura e, mais adiante, a técnica é aplicada nos poemas de Cordel
  • 1913: o italiano Carlos Oswald difundiu a Gravura no Brasil, cuja história pode ser vista no documentário O Poeta da Luz
  • 1917: Anita Malfatti expôs suas Gravuras, mas a linguagem não teve espaço na Semana de Arte Moderna que viria em 1922
  • 1960 a 1980: com o Cinema Novo e a MPB, os movimentos de valorização nacional também influenciaram os gravuristas
  • 1964 a 1985: durante a ditadura militar, as Gravuras foram usadas como um veículo de resistência e divulgação

Gravuristas que fizeram história no Brasil

  • Anita Malfatti
  • Anna Bella Geiger
  • Anna Letycia Quadros
  • Carlos Oswald
  • Carlos Scliar
  • Cláudio Mubarac
  • Cláudio Mubarac
  • Cláudio Tozzi
  • Danúbio Gonçalves
  • Di Cavalcanti
  • Dionísio Del Santo
  • Edith Behring
  • Evandro Carlos Jardim
  • Fayga Ostrower
  • Glênio Bianchetti
  • Iberê Camargo
  • Ivan Serpa
  • J. Borges
  • João Luís Chaves
  • Lasar Segall
  • Laurita Salles
  • Lívio Abramo
  • Luise Weiss
  • Marco Buti
  • Maria Bonomi
  • Modesto Brocos
  • Oswaldo Goeldi
  • Paulo Herkenhoff
  • Paulo Penna
  • Poty Lazzarotto
  • Regina Silveira
  • Renina Katz
  • Roberto de Lamônica
  • Rossini Perez
  • Santidio Pereira
  • Simon Pradier
  • Solange Oliveira
  • Tarsila do Amaral
  • Ulysses Bôscolo
  • Vasco Prado

7. Quais são os tipos de Gravura?

As Gravuras se dividem em “horizonte” e “relevo”. Por um lado, a tinta fica entre os sulcos (fendas da madeira, metal ou pedra), criando o efeito de positivo na reprodução da imagem. Por outro lado, o pigmento fica em alto relevo e, portanto, ressalta-se tudo que está acima, trazendo à tona o efeito de negativo. 

Para entender melhor o efeito positivo x negativo, confira as diferenças nessas imagens:

história da Gravura - positivo x negativo

Fonte: Domestika 

Nesse ponto, cabe ressaltar que há muitas formas de criar essas obras, tanto em horizonte, quanto em relevo. Diante disso, listamos 20 tipos e técnicas de Gravura:

  • Água-forte: corrosão dos traços por ácido nítrico
  • Aquagravura: matriz de materiais flexíveis
  • Bokashi: técnica de Xilogravura japonesa
  • Calcogravura: Gravura feita em metal
  • Cromolitografia: impressão litográfica em cores
  • Digigravura: Infogravura e Gravura Digital
  • Estêncil: técnica serigráfica de estamparia
  • Fresagem Química: Gravura com ácido e outras substâncias
  • Giclée: técnica usada na impressão digital
  • Intaglio (Talho Doce): Calcografia cilíndrica
  • Isogravura: Gravura feita com isopor
  • Linoleogravura: imagem recortada em linóleo
  • Litogravura: matriz de pedra calcária
  • Monotipia: Gravura feita por meio de Pintura ou Desenho
  • Petróglifo: Gravura Rupestre datada da Pré-História
  • Ponta-seca: incisão direta, sem o uso de verniz
  • Rotogravura: matriz com cilindro de cobre
  • Serigrafia: impressão à tela ou silk-screen
  • Ukiyo-e: gênero de Xilogravura japonesa
  • Xilogravura: “carimbo” com a matriz de madeira

8. Quais são as características da Gravura?

As características da Gravura variam conforme o suporte e os materiais usados, mas esses são os pontos em comum:

  • produção (e reprodução) de imagens por meio de suportes variados (madeira, metal, pedra etc.), que têm incisões, talhos, corrosões e afins;
  • com base na matriz escolhida (madeira, metal, pedra, borracha, elastômero…), são feitas incisões, gravações, riscos etc., formando assim o alto ou o baixo relevo;
  • no tipo “horizonte”, a tinta fica no sulco, isto é, nas fendas que vêm da incisão, por exemplo. Em seguida, o pigmento aparece como o “positivo” na obra final;
  • já no tipo “relevo”, a tinta evidencia o que está na parte superior da gravação, em alto relevo. Aqui, o efeito “negativo” mostra só o que está acima (e não no sulco);
  • possibilidade de criar múltiplas reproduções de uma obra, partindo de uma mesma matriz. Entretanto, os artistas costumam assinar, numerar e datar cada cópia;
  • a lei da oferta e demanda também vale para as Gravuras. Em outras palavras, quanto menor for a quantidade de cópias, mais valiosas elas serão;
  • como a matriz é a mesma, as primeiras imagens da série ficam menos desgastadas. Falando nisso, elas são marcadas com a sigla P.A., ou seja, Prova do Artista;
  • na Xilogravura, por exemplo, a matriz de madeira pode ser “prensada” sobre uma folha e, assim, a imagem será transferida para o papel. 

9. Para que serve a Gravura?

A Gravura, assim como qualquer linguagem artística, tem um papel cultural na sociedade. Afinal de contas, os artistas se manifestam por meio dessa Arte Visual, comunicando suas mensagens em alinhamento com a estética e o propósito de cada obra.  

Artcetera - perfil Instagram

10. Quais são os principais livros sobre Gravura?

Por aqui, indicamos uma série de livros de Arte Visual, certo? Agora, vamos às dicas de leitura voltadas para a Gravura:

  1. Gravuras e Desenhos | M.C. Escher
  2. Rhinocerus: Gravura, Palavra, Imaginário – Druckgrafik, Wort, Imagination | Marina Ludemann e Helena Kanaan
  3. Ir Até Aqui: Gravuras e Fotografias de Marco Buti | Marco Francesco Buti
  4. A Gravura | Iberê Camargo
  5. Maneira Branca | Elisa Bracher
  6. Gravura: Arte Brasileira do Século XX | Léon Kossovitch, Mayra Laudanna e Ricardo Resende
  7. Japanese Prints | Gabriele Fahr-Becker
  8. de la Manière de Graver À l’Eau Forte Et Au Burin Et de la Gravûre En Manière Noire | Abraham Bosse
  9. Breve História Ilustrada da Xilogravura | Antonio Fernando Costella
  10. Mestres da Gravura – Col. Fundação Biblioteca Nacional | Vários Autores
  11. Princípios Da Arte Da Gravura | Gérard De Lairesse
  12. A Gravura de Arthur Luiz Piza | Carlos Martins
  13. Lasar Segall (1889-1957): Pinturas, Desenhos, Gravuras e Esculturas | Vera d’Horta
  14. Maria Bonomi: da Gravura à Arte Pública | Maria Bonomi
  15. Gravura Brasileira Hoje: Depoimentos | Anna Letycia Quadros

12 obras famosas para fazer uma imersão na história da Gravura

Daqui em diante, confira 12 obras que marcaram a história da Gravura no Brasil e no mundo. Naturalmente, teremos outros posts no blog para abordar os trabalhos feitos por grandes gravuristas, lançando mão de diversas técnicas de Artes Visuais.

1. A Grande Onda de Kanagawa | Katsushika Hokusai

história da Gravura - OndaFonte: Laart

2. Autorretrato em Esfera Espelhada | Maurits Cornelis Escher 

história da Gravura - Escher

Fonte: Superinteressante

3. Macaquinhos | Tarsila do Amaral

história da Gravura - TarsilaFonte: Galeria Alphaville

4. Cristo Pregando | Rembrandt

história da Gravura - RembrandtFonte: Laart

5. Bandeirinhas | Alfredo Volpi

história da Gravura - VolpiFonte: Laart

6. Los Caprichos | Francisco de Goya

história da Gravura - GoyaFonte: Laart

7. Rinoceronte | Albrecht Dürer

história da Gravura - RinoceronteFonte: Laart

8. Gravura em Metal 1963 | Iberê Camargo

história da Gravura - IberêFonte: Laart

9. Genoveva | Gustave Doré

história da Gravura - DoréFonte: Laart

10. Tecelar | Xilogravura Neoconcreta | Lygia Pape

história da Gravura - Lygia

Fonte: Lygia Pape

11. Cabeza | Celia Calderón

história da Gravura - CalderonFonte: MASC

12. Untitled from Marilyn Monroe | Andy Warhol

história da Gravura - WarholFonte: Laart

Quem são os maiores artistas da gravura de todos os tempos?

A seguir, listamos grandes gravuristas do Brasil e do mundo, dos Mestres da Gravura de antigamente aos contemporâneos. A propósito, note que alguns desses nomes já são conhecidos por outras expressões artísticas, principalmente a Pintura. Confira! 

130 maiores gravuristas da história

  1. Abraham Bosse
  2. Adolph Menzel
  3. Adriaen van Ostade
  4. Aegidius Sadeler
  5. Albrecht Altdorfer
  6. Albrecht Dürer
  7. Alfredo Volpi
  8. Alois Senefelder
  9. Andrea Mantegna
  10. Andy Warhol
  11. Anita Malfatti
  12. Anna Maria van Schurman
  13. Annibale Carracci
  14. Anthony van Dyck
  15. Antonio Pollaiuolo
  16. Arthur Luiz Piza
  17. Baccio Baldini
  18. Bartel Beham
  19. Battista Franco
  20. Bernard Pras
  21. Burle Marx
  22. Carlos Oswald
  23. Celia Calderón
  24. Cildo Meireles
  25. Claude Mellan
  26. Corita Kent
  27. Cornelius Cort
  28. Daniel Chodowiecki
  29. Daniel Hopfer
  30. David Kandel
  31. Delacroix
  32. Elisa Bracher
  33. Erhard Reuwich
  34. Fayga Ostrower
  35. Federico Barocci
  36. Ferdinand Piloty
  37. Flávio de Carvalho
  38. Francesco Villamena
  39. Francisco de Goya
  40. Frans Kracjberg
  41. Geertruydt Roghman
  42. Georg Pencz
  43. Georges de la Tour
  44. Gianbattista Tiepolo
  45. Gilvan Samico 
  46. Giorgio Ghisi
  47. Giovanni Benedetto Castiglione
  48. Giulio Campagnola
  49. Gustave Doré
  50. Hans Baldung 
  51. Hans Burgkmair
  52. Hans Holbein
  53. Hans Sebald Beham
  54. Heinrich Aldegrever
  55. Hendrik Goltzius
  56. Hércules Barsotti 
  57. Hercules Seghers
  58. Iberê Camargo
  59. Il Schiavone
  60. Israhel van Meckenam
  61. Ivan Serpa
  62. J. Borges
  63. Jack Duganne
  64. Jacob van Ruysdael
  65. Jacopo de’ Barbari 
  66. Jacques Bellange
  67. Jacques Callot 
  68. Jean Morin
  69. JMW Turner
  70. Johann Friedrich Overbeck
  71. John Sell Cotman
  72. José Costa Leite 
  73. Jost Amman
  74. Jusepe de Ribera
  75. Karel Dujardin
  76. Käthe Kollwitz.
  77. Katsushika Hokusai
  78. Lasar Segall
  79. Leda Catunda
  80. Léon Ferrari
  81. Lívio Abramo
  82. Lotus Lobo
  83. Lovis Corinth
  84. Lucas Cranach
  85. Lucas van Leyden
  86. Lygia Pape
  87. Magdalena van de Passe
  88. Marcantonio Raimondi
  89. Marcus Gheeraerts, o Velho
  90. Maria Bonomi
  91. Maria Martins
  92. Maria Sybilla Merian
  93. Marina Caran
  94. Mario Cravo Junior
  95. Martin Schongauer
  96. Maso Finiguerra
  97. Matthäus Merian 
  98. Maurits Cornelis Escher
  99. Max Liebermann
  100. Mestre E. S.
  101. Mestre das Cartas
  102. Mestre de Housebook
  103. Michael Wolgemut
  104. Modesto Brocos y Gómez
  105. Nicolaes Berchem
  106. Pablo Picasso
  107. Parmigianino
  108. Paulo Pasta
  109. Philippe Galle
  110. Pieter Brueghel
  111. Piranesi
  112. Rembrandt
  113. Renina Katz
  114. Robert Nanteuil
  115. Rubem Valentim
  116. Sérvulo Esmeraldo 
  117. Stefano della Bella
  118. Tarsila do Amaral
  119. Theodore de Bry 
  120. Thomas Bewick
  121. Tomie Ohtake
  122. Ugo da Carpi
  123. Urs Graf 
  124. Václav Hollar 
  125. Ventura Salimbeni
  126. Virgil Solis
  127. Wenzel Hollar
  128. William Blake
  129. William Hogarth
  130. Yara Tupynambá

E aí, conhece mais algum gravurista importante? 

Bônus: Xilogravura na Literatura de Cordel

Se você gosta da conexão entre as expressões artísticas, que tal dar uma olhadinha no post sobre a Literatura de Cordel? Isso porque as páginas dos poemas são ilustradas com as Xilogravuras no gênero literário que é um Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro.

Enfim, esperamos que você tenha gostado de conhecer melhor a história da Gravura e suas diversas técnicas. Aproveitando a oportunidade, não deixe de ler outros posts da Artcetera, com destaque para os melhores artistas visuais do Brasil e do mundo. Bora lá? 😉

Salvar